quinta-feira, 23 de agosto de 2012

0 comentários

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

0 comentários



A Igreja e a política

Vivemos em uma época de contestação às instituições sociais, políticas, culturais e religiosas. Mas nenhuma instituição tem sido tão contestada em sua razão de ser, estruturas e valores como o Estado e a Igreja.
Historicamente, a concepção de igreja está nas Sagradas Escrituras e desde o Antigo Testamento podemos perceber que a igreja local vem se desenvolvendo, se configurando como instituição em constante transformação. A concepção contemporânea de Estado está no livro “O Príncipe”, de Nicolau Maquiavel.
Kant, o filósofo alemão, certa ocasião disse que a razão não é capaz de identificar a realidade tal qual ela é, ou seja, precisamos exaurir os meandros mais complexos deste tema com a finalidade de excluir a aporia deste paradoxo.
Neste momento propedêutico, onde as eleições municipais estão se aproximando, sinto-me a vontade para expressar minha opinião sem jaça, pois nossa vida cristã e patriotista é um cenário fantástico, empírico, profícuo e não me faltam entusiasmo e disposição para dar consecução à tarefa assumida publicamente pelos heróis da fé.
A Bíblia nos revela que na planície do Jordão, Moisés fez um lindo discurso e explicou a História de Israel, o ideal Divino de Deus e a lei dizendo que a dimensão do conhecimento possui poder e este poder oprime, inferioriza e liberta. Moisés não discursou sobre hipóteses ou probabilidades, ele falou de uma visão de realidades espirituais e sociais. O discurso de Moisés tinha lógica, argumentos, política, religiosidade, causa, efeito e ética. Moisés procurou submeter a razão na revelação a uma boa fundamentação. Ele foi sistemático, ético e contemporâneo em Deuteronômio 1, 1 a 25.
Vamos contextualizar esta passagem bíblica para os dias atuais e enxergaremos o que Shaskespeare disse certa ocasião: “Há mais mistérios entre o céu e a terra do que supõe a nossa vã filosofia.” 
Tomai-vos homens sábios, entendidos e experimentados segundo as vossas tribos, para que os ponha por chefes. 
O Deus eterno é moderno e nesta passagem de Deuteronômio usa Moisés para destacar o ideal Divino e levar o povo ao conhecimento da importância e a legitimidade de um governo civil. Moisés mostra ao povo que o reino espiritual e a ordem civil são duas coisas completamente diferentes. Por este motivo não podemos, como comumente acontece, imprudentemente confundi-las, pois ambas têm uma natureza completamente distinta e esta distinção entre a igreja e o Estado significa que cada domínio tem o direito de existir e que o Estado, assim como a Igreja, também é estabelecido por Deus, devendo, portanto, ser igualmente respeitado pelos cristãos. Portanto, a igreja não deve usurpar a s funções do Estado, nem o Estado, as funções e prerrogativas da igreja. Assim, afirma Calvino, no último capítulo das Institutas (Livro IV, Cap. 20), intitulado “O Governo Civil”.
A problemática do tema está em Isaías 10, 1 e 2, que diz: “Ai dos que decretam leis injustas, dos que escrevem leis de opressão, para negarem justiça aos pobres, para arrebatarem o direito aos aflitos do meu povo, a fim de despojarem as viúvas e roubarem os órfãos.” 
O que faremos nós neste período de eleição? Continuaremos na calamidade? Faremos como o teólogo do século XX, Karl Barth, que ingressou em um Partido Social Democrata formando assim uma resistência ao Partido Nacional Socialista? Vamos defender a classe operária como fez nosso ex-presidente? Ou vamos continuar pregando que a igreja é uma unidade social fechada ao exterior e do tipo patriarcal? 
Leitores e simpatizantes ao tema, a igreja local é um grupo social caracterizado pela residência comum, com cooperação econômica e reprodução de valores pessoais. Ou seja, cada qual que aqui estamos, reproduzimos o ideal Divino em nossas relações familiares, sociais, políticas, religiosas e econômicas. A igreja Neotestamentária é considerada o Corpo de Cristo e cada pessoa cristã é um membro do Corpo de Cristo. Nós somos uma só carne, um só espírito e temos um só Senhor. Numa era tão moderna e cheia de gargalos, nós que aqui vivemos congregados, agregados, somos coadjuvantes deste cenário fantástico que é a família de Deus. A igreja local institucionalizada, com CNPJ, com estatuto, regimento interno, dogmas, costumes e doutrinas é um produto cultural historicamente condicionado ao Estado. 
Edifiquemos a Casa do Senhor com a verdade, pois bendito seja Deus que não rejeitou a nossa oração e nem desviou de nós a sua graça. 
Vote certo!
0 comentários


O Ser Humano criado a imagem e semelhança de Deus

O homem. Quem ele é?

As expressões imagem e semelhança que aparecem em Gênesis 1.26,27:5.1:9.6 possuem o mesmo sentido e o seu significado é que o homem tem a semelhança com Deus, isto não se trata de uma semelhança natural e uma imagem sobrenatural. O homem como imagem de Deus representa Deus entre as demais criaturas e a sua semelhança com Deus é relacionada à imortalidade, mas esta dádiva o homem perdeu quando caiu e perdeu a retidão original em que fora criado. Daí então o salmista e mais uma multidão de pessoas estão questionando: “Quem é o homem?”.

Uma multidão de pessoas está lendo estes versículos bíblicos e se questionando sobre a origem do homem. Exaurindo os meandros mais complexos deste tema verificamos que a palavra imagem vem do hebraico “sélem” que significa réplica, uma imagem ou forma e do grego ‘eikõn’, e a palavra semelhança vem do hebraico ‘ demüt ’ que significa semelhança. O sentido da palavra semelhança é amplo e podemos dizer que a semelhança é análoga, que imita, traz aparência na ordem física e moral, mas isso não significa que a semelhança é igual ao objeto original a que se assemelha. Esta restrição análoga não é levantada pelo Criador, mas por um outro lado a atitude do ser criado, em razão da liberdade de pensar e de agir que recebeu do Criador, o famoso livre arbítrio com que Deus dotou o homem para que ele pudesse fazer suas escolhas livremente, e não como autômato, fez com que a semelhança perdesse o brilho e se transformasse em imagem moralmente manchada, prejudicada pela ausência da inocência e da santidade que deveria possuir. A perda da retidão original, a famosa queda, causou uma catástrofe, contudo, o homem, por dádiva divina, continuou exibindo-se como imagem de Deus, pois existe uma promessa que um dia Deus restaurará o homem e o levará ao estado de santidade e de glória em que fora criado.

A Bíblia Sagrada nos revela que a lei mosaica é apenas a sombra, e não a imagem das coisas vindouras. Assim sendo, imediatamente criamos a linha de pensamento onde o primeiro homem criado por Deus foi feito do pó da terra e por isso é terrestre e não celeste, como o segundo Adão, Jesus Cristo (1Co 15.47). Assim, o cristão é predestinado para se tornar semelhante á imagem do Filho de Deus (Rm 8.29), para que possamos alcançar uma perfeita semelhança com o Cristo glorificado.

Nós cristãos somos segundo a carne a imagem do Adão terrestre e seremos transformados inteiramente para alcançarmos o estado do segundo Adão, que é a imagem perfeita de Deus, se realizarmos em nossa alma e corpo a restauração adequada pela fé e pela razão. A imagem que representa Deus aqui na terra é a pessoa de Cristo, por que Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito para morrer na cruz por nossos pecados. Assim sendo, vamos ter um relacionamento físico e funcional com Deus a fim de que nos salvemos da anonímia e massificação, da desorientação, da alienação e opressão, da utopia e do inferno.

Pastor Marcio Ramalho